Com estoques de todos os tipos sanguíneos abaixo do habitual, Hemocentro de Colatina faz apelo por novos doadores

No mês em que o Hemocentro Regional de Colatina completa 18 anos, a instituição convida a população a comemorar o aniversário da entidade doando sangue. Ainda que todas as tipagens sanguíneas sejam importantíssimas, o alerta vai para as de Rh negativo, que são de difícil acesso.

De acordo com José Carlos Tosato, diretor do Hemocentro Regional de Colatina, a unidade registrou queda nas doações, refletindo tendência verificada na própria Hemorrede do Espírito Santo, que opera com apenas 40% a 45% do estoque de sangue habitual.

Tosato explica o que contribuiu para a diminuição nas doações e incentiva os moradores de Colatina e capixabas de outras cidades a contribuírem por meio desse gesto solidário.

“Neste momento, ocorreu uma diminuição significativa do número de doações, seja por conta do inverno ou da safra de café, que é uma atividade econômica muito forte aqui na região. Isso somado ao período pandêmico impactou diretamente nas doações. É importante frisar que doar sangue é seguro. Todas as medidas de segurança são adotadas e obedecidas de forma a garantir a segurança tanto para o doador quanto para os servidores. Compareçam nas nossas unidades e ajudem. O sangue foi feito para circular”, clama.

Embora os tipos sanguíneos de fator Rh negativo sejam mais raros e, portanto, mais difíceis de repor, Tosato diz que o hemocentro precisa da doação de sangue de todas as tipagens.

“Todos os grupos sanguineos são igualmente importantes, sejam positivo ou negativo. Gostaríamos de convidar a todos os doadores que possam retornar e efetuar uma nova doação. Aqueles que ainda não efetuaram uma doação, que compareçam a algum dos hemocentros regionais: ou em São Mateus, ou em Linhares ou aqui em Colatina, na Serra, em Vitória, e efetuem a sua doação de sangue. O sangue doado em uma unidade pode estar disponível pra qualquer hospital da rede pública estadual no estado do Espírito Santo”, apela.

Exemplo

A maquiadora Emanuele Muqui, de 29 anos, já acumula 32 doações e conta que decidiu doar aos 16 quando viu uma notícia na TV que uma pessoa morreu por falta de sangue. “Aquilo mudou minha vida. É importante doar sangue, é sobre amar sem conhecer a pessoa. Devemos dar nossa vida aos nossos irmãos. A gente tenta dar um pouco mais de vida a essas pessoas. Quando você ama as pessoas, você doa”, disse a moradora do Bairro Maruípe, no Espírito Santo.

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, reforça a importância da doação regular. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”.

Onde doar sangue no Espírito Santo

Interessados em doar sangue e medula óssea podem procurar, além do hemocentro coordenador do estado, em Vitória, um dos três hemocentros regionais instalados em Colatina, Linhares e São Mateus.

O Hemocentro Regional de Colatina, no noroeste do estado, está mais próximo dos municípios de Alto Rio Novo, Baixo Guandu, Governador Lindenberg, Marilândia , Pancas e São Domingos do Norte. Para doar em Colatina, você deve ir ao endereço  Rua Cassiano Castelo, sem número. O telefone para contato é o (27) 3717-2810.

Quem mora em Jaguaré, Conceição da Barra ou Pedro Canário pode procurar o Hemocentro Regional de São Mateus, cujo endereço é Avenida Othovarino Duarte Santos km 02, sem número, Residencial Park Washington. Para telefonar, disque (27) 3767-7954.

Quem mora em Aracruz, Fundão, Ibiraçu, João Neiva, Rio Bananal ou Sooretama deve procurar o Hemocentro Regional de Linhares, no endereço Avenida João Felipe Calmon, número 1305,  no Centro, ao lado do Hospital Rio Doce. Para ligar, disque (27) 3264-6000. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades mais próximas de você, veja o mapa abaixo.

Critérios para doar sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de 3 meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de 2 meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse saude.es.gov.br.