Professores de Barra de São Francisco continuam em greve

Em Assembleia da Rede Municipal de Educação de Barra de São Francisco, realizada nesta terça-feira (20/02), no Sindicato Patronal Rural, os/as trabalhadores/as decidiram permanecer em GREVE.

A categoria aprovou também acessar o Setor de Contabilidade da Prefeitura para verificar os números da Educação.

Após a Audiência ocorrida na última sexta-feira (16/02), o prefeito Alencar Marim(PT) negou a possibilidade de qualquer reajuste e também não há previsão para atender essa reivindicação.

O prefeito alegou que a Folha de Pagamento da Prefeitura fechou o ano de 2017 em torno de 61%, infringindo assim a Lei de Responsabilidade Fiscal-LRF.

Os/as professores/as e demais trabalhadores/as em educação continuarão com o movimento de Greve até que a Administração Municipal apresente uma proposta de reajuste.

A categoria reivindica reajuste de 46,81% em relação ao Piso na Carreira.

Greve continua

Os professores da Rede Municipal de Educação de Barra de São Francisco se reuniram mais uma vez, na noite desta terça-feira, 20 de fevereiro de 2018. Desta vez, o motivo principal foi para avaliar o posicionamento expressado pelo prefeito Alencar Marim (PT) em relação ao pedido feito pelo sindicato.

O posicionamento do executivo municipal já foi amplamente divulgado em vídeo, entrevista em programa de rádio e textos publicados na internet. Em todas as situações Alencar e categórico em dizer que não há possibilidade de dar nenhum reajuste, mesmo que em porcentagem menor da que os professores pedem. Diante disto, decidiu-se manter, por tempo indeterminado, a greve.

Mesmo com a situação, as escolas estão recebendo os alunos desde a segunda-feira (19). Alguns professores contratados, que não aderiram à greve, estão nas escolas. Onde o número de efetivos é maior, a direção está juntando turmas.

Não é aumento, é reajuste

A comissão já havia se reunido com o prefeito Alencar Marim (PT), mas os professores não conseguiram o reajuste. A perca já é de 47,81 % em cima do salário.

Lembrando que a reivindicação da categoria da educação não é aumento salarial – que os professores tanto merecem pelo trabalho tão nobre que realizam – e sim reajustes das perdas nos salários que são garantidas e asseguradas pela Lei Federal nº 11.738/2008“, destaca a comissão.

Administração municipal

Na segunda-feira, dia que teria início o ano letivo na rede municipal de ensino de Barra de São Francisco, mesmo com a maioria dos professores em greve, o prefeito Alencar Marim ordenou a divulgação, em uma moto com auto-falantes, informando que estava tudo normal.

A decisão do prefeito não agradou os professores e soou como falta de respeito com a luta da categoria.

Ironia do destino

Em 2015, quando era professor, Alencar Marim fazia parte do grupo que lutava pelo reajuste. Na ocasião, ele era a favor da greve.

Na época, o prefeito de Barra de São Francisco era Luciano Pereira (DEM) e Alencar já se colocava como pré-candidato.

Sindiupes